0

Treinos longos – Por que algumas pessoas “quebram”?

Vamos começar com uma ideia básica de que os treinos mais longos geralmente devem ser mantidos em uma zona não muito forte (com a frequência entre 65 e 75 % da máx – por Pedro Mussi – treinador) para que o maior percentual deste seja mantido de forma aeróbia. Nutricionalmente falando, isso significa que o ideal seria manter a gordura como fonte principal de energia – poupando assim o carboidrato (e estoque de glicogênio).

 

Quanto mais treinado é o indivíduo e manipulando a dieta dele, consigo fazer com que esta utilização de gordura seja máxima. Excelente! O problema começa a acontecer após 120 min de treino.

 

Neste tempo, a liberação de uma enzima chave para a “liberação” da gordura intramuscular começa a reduzir sua atividade – independente dos “sinais na atividade” para tal liberação continuar. Essa enzima é a HSL (lipase hormônio sensível), que, na verdade, tem sua máxima utilização dos 90 – 120 min de exercício e, depois disso, começa a ficar saturada e é inibida pelo excesso de ácidos graxos.

 

O que isso significa? Que ficará cada vez mais difícil manter a atividade somente com a gordura como fonte energética. A presença do carboidrato (glicose) começa a ser importante a partir deste tempo (especialmente em indivíduos menos treinados). Deste modo, ou o atleta fez um bom estoque de glicogênio (com a alimentação anterior a este treino) ou pode não aguentar manter o ritmo da atividade.

(obs: indivíduos mais treinados são capazes de manter a utilização de gordura por mais tempo, pois conseguem oxidar também a gordura presente no sangue e não somente a intramuscular).

 

Por isso, sempre enfatizo a importância do carboidrato no momento certo. Pensar no treino longo vai muito além do que se ingere logo antes (pré treino) ou durante  este treino específico. A estratégia tem que começar muito tempo antes… ou você pode “quebrar”.

 

Claro que esta não é a única razão  para um atleta “quebrar” durante uma atividade, mas é uma importante.

 

 

 


avatar

Julia Engel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *